21 fevereiro 2013

[Resenha] O Restaurante no Fim do Universo - Douglas Adams

Título original: The Restaurant at the End of the Universe
Autor: Douglas Adams
Minha edição: Arqueiro

"O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante do Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apenas se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão falta?

A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da Galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível.

O segundo livro da série de Douglas Adams, que começou com o surpreendente O guia do mochileiro das galáxias, mostra os cinco amigos vivendo as mais inesperadas confusões numa história cheia de sátira, ironia e bom humor.

Com seu estilo inteligente e sagaz, Douglas Adams prende o leitor a cada página numa maravilhosa aventura de ficção científica combinada ao mais fino humor britânico, que conquistou fãs no mundo inteiro. Uma verdadeira viagem, em qualquer um dos mais improváveis sentidos."

O Restaurante no Fim do Universo é a segundo livro da série O Mochileiro das Galáxias. O livro me pareceu muito mais confuso do que o primeiro da série, mas creio que gargalhei muito mais com este. Adams parece ter aguçado seu sarcasmo e humor para escrever o segundo livro da série e eu gostei muito disso.

As primeiras páginas são marcadas por um jantar em um restaurante totalmente maluco que fica literalmente no fim universo, onde um boi se oferece para ser comido e informa os clientes de que terá uma morte humanamente digna. Para mim, Adams quis injetar uma dose de humor logo no começo do livro e também fazer uma mega defesa ao vegetarianismo. Passei uns bons dez minutos rindo dessa cena.

Depois de alimentados, os divertidos personagens seguem em uma viagem para confrontar aquele que rege o universo, buscando descobrir o que diabos ele pensa que está fazendo. Ao contrário do O Guia do Mochileiro das Galáxias, Arthur Dent acaba ficando um pouco de lado na história, que enfoca o divertido e maluco Zaphod Beeblebrox.

Mais uma vez, me surpreendi com a dificuldade que tive em ler o livro. Acho que é um mal de mim mesmo. Muitos dizem que a leitura é fácil e que flui muito bem, mas comigo é diferente. Tenho dificuldades para lembrar dos fatos e preciso ficar relendo algumas páginas para poder seguir na história.

Eu havia dito que não concordava que o a série fosse algo "nonsense", mas sinto dizer que a minha opinião vem mudando. Desculpem o spoiler, mas as viagens no tempo do livro me confundiram bastante e deram uma pitada de "isso não faz sentido algum" para a história.

Os finais de Adams me desanimaram bastante. Sinto que o autor coloca um ponto final e pronto. Ele não se preocupa em aguçar a curiosidade dos leitores com um acontecimento surpreendente. Simplesmente, final. Mas eu, como ótimo curioso, continuei com a leitura da série e digo que não me arrependi.

Douglas Noël Adams nasceu em Cambridge, Inglaterra, em 1952. Formou-se em literatura inglesa pela Universidade de Cambridge. Ao lado de Simon Brett, produziu um programa humorístico sobre ficção-científica para o rádio, era o início de "O Guia do Mochileiro das Galáxias". A série radiofônica foi transmitida pela primeira vez em 1978 e em 1979, muito modificada e amplificada, foi publicada. Treze anos separam o primeiro e o último volume da série que conquistou milhares de fãs em todo o mundo. Adams faleceu aos 49 anos de idade, vítima de um ataque cardíaco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se livre para comentar o que quiser, mas use com moderação.