04 abril 2013

[Resenha] Em Chamas - Suzanne Collins

Título original: Catching Fire
Autor: Suzanne Collins
Minha edição: Rocco

"Depois de ganhar os Jogos Vorazes, competição entre jovens transmitida ao vivo para todos os distritos de Panem, Katniss agora terá que enfrentar a represália da Capital e decidir que caminho tomar quando descobre que suas atitudes nos jogos incitaram rebeliões em alguns distritos. 

Os jogos completam 75 anos, momento de se realizar o terceiro Massacre Quaternário, uma edição da luta na arena com regras ainda mais duras que acontece a cada 25 anos. Katniss e Peeta, então, se veem diante de situação totalmente inesperada e, dessa vez, além de lutar por suas próprias vidas, terão que proteger seus amigos e familiares e, talvez, todo o povo de Panem.

Ambientado num futuro sombrio, a série é pioneira de uma tendência que vem ganhando força no mercado de bestsellers juvenis: a dos romances distópicos e pós-apocalípticos. As obras renderam à autora Suzanne Collins lugar na badalada lista de 100 personalidades mais influentes do ano da revista Time. Com narrativa ágil e ousada, os livros da trilogia foram traduzidos para 42 países e vêm atraindo leitores de diversas faixas etárias."

Esse é de longe o livro que mais gostei da trilogia. Como eu havia visto o filme de Jogos Vorazes no cinema, meio que a leitura do primeiro livro foi sem a emoção que deveria ser causada. Já no segundo livro senti tudo o que a autora quis passar aos leitores. Esse foi o fiorde para todo o meu fascínio sobre a distopia de Collins.

O livro inicia-se um pouco depois do momento em que o anterior terminou. Katniss e Peeta, vencedores da 74ª edição dos Jogos Vorazes, viajam por toda a Panem por conta da Turnê dos Vencedores. Mas além da exibição dos inusitados dois vencedores dos Jogos, a turnê tem um peso a mais. 

Acontece que Katniss, ao desafiar a Capital com as famosas amoras venenosas (rimou tudo gente), desencadeou uma tremenda confusão. Mesmo sem querer, a nossa corajosa protagonista se tornou o símbolo da rebelião em Panem. O problema é que a Capital e o presidente Snow já perceberam isso. Assim, ela precisa convencer o povo de Panem de que o que fez não foi um ato contra a Capital e sim de amor por Peeta. O problema é que Katniss sempre fingiu amar Peeta e isso fica ainda mais difícil de se fazer quando Gale se declara a ela. 

No começo do livro percebemos os traumas que os Jogos Vorazes causaram a jovem. Toda aquela vontade de vencer proveniente das dificuldades da vida e do tempo em que esteve dentro da arena simplesmente se esvaem. Katniss se torna um pouco menos astuta e se perde em meios a pensamente que vão de Petta a Gale. Mas preciso dizer que isso não fica assim durante o livro todo.

Não, eu não contei praticamente nada do que acontece na trama. Eu diria que este livro está dividido em duas partes. A primeira é tão monótona que pode até fazer muitas pessoas desistirem dele. Não por ser ruim, mas por ser muito diferente do que lemos (e vimos) em Jogos Vorazes. Já a segunda parte do livro é a salvadora da pátria e eu me arrisco a dizer que é a melhor parte de toda a trilogia.

A vida de Katniss já não estava fácil. Então é chegada a época da Colheita. Dessa vez, será realizada a 75ª edição dos Jogos Vorazes, denominada Massacre Quaternário. Isso nada mais é do que uma edição especial que acontece a cada 25 anos e que traz algumas mudanças nas regras e surpresas para os competidores. E é somente nesse momento que a história realmente começa. Novos personagens aparecem e se tornam importantes para a trama, como Finnick Odair, Johanna Mason e Beetee, que são antigos vitoriosos dos Jogos. 

Claramente, Suzanne Collins aprimorou suas criticas em relação ao sensacionalismo, ao desperdício e à violência da sociedade em que vivemos. Mais uma vez, ela conseguiu prender o leitor da primeira a última página, nos envolvendo com uma pitada de romance e um punhado de aventura. Conseguimos sentir toda a tensão que as revoltas trazem para a Capital, para todos os distritos e principalmente para os personagens principais. Sem dúvida nenhuma, é o meu livro favorito da trilogia e é o que mais recomendo.

Suzanne Collins nasceu em Hartford capital do estado de Connecticut, nos Estados Unidos. Estudou na Escolas de Belas Artes do Alabama e fez drama e telecomunicações na Indiana University. Começou sua carreira escrevendo roteiros infantis para o canal Nickelodeon. Após o sucesso da trilogia Jogos Vorazes, lançou um livro baseado no período em que o pai de Collins esteve na Guerra do Vietnã.

3 comentários:

  1. Olá.. ;D
    Não tenho nem o q falar, a Trilogia Jogos Vorazes em si já é maravilhosa, devorei todos os três livros em exatamente uma semana! A Suzanne Collins tem o dom de fazer a gente se entregar a história de uma maneira q eu só consegui largar o livro quando chagou na última palavra! kkkk'
    Enfim.. As partes do Massacre Quartenário deram a eletrizada q faltava pra história, muito bom!

    Resenha muito boa!!

    Beijão'
    meumundo-aqui.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Apesar de eu ter uma impressão clara de que a autora havia feito JV para ser, originalmente, um livro único, Em chamas também é meu favorito. Além dessa coisa da crítica maior ao sensacionalismo eu já havia conseguido me conectar mais com a Katniss e sofrer suas perdas - foi meio complicado no primeiro livro, já que a personagem é, por definição, meio distante...

    ResponderExcluir
  3. A trilogia Jogos Vorazes é uma das melhores séries dos últimos tempos. Quando li pela primeira vez a trilogia, não gostei muito de Em Chamas, achei ele bem parado. Mas sempre que leio pela segunda vez, minha opinião as vezes muda, espero que aconteça isso. Porque a arena dessa livro é muuuuuuuuuuito foda (com o perdão da palavra).
    Adoreeeeeeeeeeeei a sua resenha.
    Seguindo.
    Beijos :)

    ResponderExcluir

Sinta-se livre para comentar o que quiser, mas use com moderação.