30 abril 2013

[Resenha] A Esperança - Suzanne Collins

Título original: Mockingjay
Autor: Suzanne Collins
Minha edição: Rocco

"Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução.

A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo.

O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra? 

Acompanhe Katniss até o fim do thriller, numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança."

Não posso mentir: A Esperança foi uma decepção total para mim. Demorei praticamente dois meses para conseguir finalizar a leitura do livro, o que contribuiu para a decepção. Eu estava trabalhando bastante, preocupado em conseguir boas notas no curso que fazia e também na escola e, principalmente, preocupado com o ENEM que se aproximava. Assim, a leitura acabou ficando de lado. Na verdade, acabou ficando para aqueles momento de ócio, como na ida da escola para o trabalho e intervalos de aulas. Se não me engano, fiquei mais ou menos um mês para conseguir ultrapassar as cem primeiras páginas do livro. Acontece que essa primeira parte se mostra totalmente monótona e chata. 

Após os acontecimentos da segunda estada de Katniss na arena, a jovem guerreira está sendo levada para o ardiloso distrito 13, aquele que todos pensavam estar destruído. A jovem se vê no meio de um impasse: tornar-se, de uma vez por todas, o "tordo", o símbolo da revolução em Panem, ou simplesmente deixar tudo de lado e viver uma vida feliz com sua família e amigos. Obviamente, Katniss escolhe a primeira opção e a revolução contra a ditadura da Capital finalmente começa. 

Os rebeldes de vários dos distritos lutam, comandados pelo distrito 13, contra a Capital e todos os distritos que a apoiam. A missão é chegar até o presidente Snow, capturá-lo e levá-lo a julgamento, restando-lhe apenas a morte.

Enquanto tudo isso acontece, Katniss se mostra cada vez mais perturbada e psicologicamente afetada. A protagonista divaga sobre tudo, seus sentimentos, desejos e, principalmente, se está fazendo ou não a coisa certa. O talento de Suzanne Collins e o fato de o livro ser narrado em primeira pessoa fazem com que possamos sentir todas as emoções de Katniss, nos vemos em seu lugar, compartilhamos seus sentimentos e todos os devaneios. Isso faz de Jogos Vorazes uma trilogia única e, como já disse, muito original.

Esse foi, sem dúvida, o livro que menos gostei da trilogia. O livro se mostra mais complexo, mais politico,  e assume um tom altamente crítico, superando os dois primeiros. Não que isso seja ruim, mas creio que, para finalizar uma distopia como essa, Suzanne Collins poderia diminuir as críticas e dar algumas sugestões de melhoria. Mas, claro, isso seria exigir demais de uma autora. 

Ao contrário de Jogos Vorazes e Em Chamas, A Esperança deixa de lado o romance e foca na guerra em si. A partir da metade do livro nos deparamos com inúmeros acontecimentos, muita ação e desfechos um tanto quanto rápidos e prematuros. Não há um desenvolvimento, uma explicação ou mesmo uma boa narração do final de alguns personagens. Eles apenas se vão e fim. 

Ao mesmo tempo, nos deparamos com um final totalmente surpreendente para a trama em si. Há uma reviravolta tão grande na história que me lembrei de uma famosa série de livros de magia. A imaginação de Collins e os motivos que levam aos acontecimentos são perturbadores. Sim, estou me segurando para não lançar algum grande spoiler, mas está difícil. Devem ter percebido que até deixei de citar importantes personagens, como Gale, Peeta, Prim e muitos outros. É impossível citá-los sem contar grande parte dos acontecimentos.

Todo final de sagas, séries e trilogias são tristes. Eu me sinto ainda pior quando paro para pensar que é a segunda série/trilogia que tem um desfecho que não me agrada. As vezes me parece que sou difícil de agradar ou que estou me tornando um pouco previsível. Apesar de tudo, a trilogia entrou para as minhas favoritas, recomendo-a demais e espero ansiosamente pelos filmes. Que a sorte esteja sempre ao nosso favor!

Suzanne Collins nasceu em Hartford capital do estado de Connecticut, nos Estados Unidos. Estudou na Escolas de Belas Artes do Alabama e fez drama e telecomunicações na Indiana University. Começou sua carreira escrevendo roteiros infantis para o canal Nickelodeon. Após o sucesso da trilogia Jogos Vorazes, lançou um livro baseado no período em que o pai de Collins esteve na Guerra do Vietnã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se livre para comentar o que quiser, mas use com moderação.